Medicina do Trabalho ou Medicina Ocupacional? Tem diferença?

Medicina do Trabalho ou Medicina Ocupacional? Tem diferença?

Embora o termo medicina do trabalho ou medicina ocupacional seja comumente utilizado, ainda existem inúmeras dúvidas quanto a sua relação, conceito, atuação e importância. Afinal de contas, de certa forma estão relacionados com a saúde e proteção dos funcionários e colaboradores em seu ambiente de trabalho. Entretanto, no artigo de hoje, iremos descobrir se possuem diferenças e quais são.

Logo, o artigo de hoje, visa conceituar ambos os termos, falar como cada um surgiu e o que cada um deles significam na prática. Para que assim, possamos compará-los e chegar em uma conclusão. Ou seja, tudo o que você precisa saber para ficar cada vez mais informado quanto ao tema. Portanto, confira este post até o final e descubra como podemos te ajudar!

A seguir, confira o que é medicina do trabalho ou medicina ocupacional, principais atribuições e como funcionam na prática!

O que é Medicina do Trabalho?

Em geral, a medicina do trabalho é um ramo derivado da medicina, cujo principal objetivo é garantir a integridade do trabalhador, seja ela: física ou mental. Ou seja, visam garantir além da prevenção de doenças e acidentes de trabalho, promover a saúde e qualidade de vida dos funcionários através de estratégias capazes de assegurar a integridade física e mental destes funcionários. Logo, o médico do trabalho é responsável por avaliar e detectar condições adversas nos locais de trabalho, assim como sua ausência. Para que desta forma, possa garantir um ambiente laboral seguro e saudável.

Dito isso, ainda segundo suas atribuições, o médico do trabalho age de maneira a proteger o funcionário contra todos os riscos que podem ser encontrados no ambiente de trabalho durante o exercício de suas funções. Como por exemplo: riscos químicos, físicos, biológicos ou ainda, ergonômicos.

Como surgiu a Medicina do Trabalho?

Segundo a Associação Nacional de Medicina do Trabalho (ANAMT), a história da medicina do trabalho se inicia por volta de 1700. Onde por sua vez, o médico italiano Bernadino Ramazzini relacionou em seu livro, 54 profissões e os principais problemas de saúde apresentados pelos trabalhadores. Logo, trouxe luz para a necessidade de os médicos conhecerem a ocupação de seus pacientes ao realizar seu diagnóstico.

A partir deste momento e com o surgimento da Revolução Industrial, ocorreram diversas transformações na maneira de se produzir e viver das pessoas. O que consequentemente, proporcionou um avanço da medicina do trabalho. A partir de então, suas práticas têm se transformado para acompanhar as mudanças e exigências dos atuais processos produtivos, bem como, dos movimentos sociais.

Quais são as funções do médico do trabalho?

Basicamente, o médico do trabalho possui diversas atuações relacionadas com a prevenção de problemas e soluções no que diz respeito a saúde dos trabalhadores. Algumas de suas funções são:

  • Realização de exames admissionais, demissionais, de mudança de função, periódicos ou de retorno ao trabalho;
  • Avaliar a aptidão ou competência dos trabalhadores;
  • Avaliar elementos que possam colocar em risco a integridade física e mental dos funcionários. Bem como, criar e implementar medidas preventivas para a proteção da saúde dos colaboradores;
  • Atestar a saúde dos trabalhadores e gerar a documentação para prestar contas ao eSocial sobre a atual situação dos trabalhadores e empresa, entre outras.

Dada suas atribuições e em conjunto com outros profissionais, os médicos do trabalho devem atuar para diminuir os riscos de acidentes laborais, diminuir a incidência de doenças ocupacionais, gerar um ambiente de trabalho mais estável e com melhores condições físicas e psicológicas para estes trabalhadores, além é claro, de diminuir os custos com o pagamento de multas, indenizações, processos trabalhistas etc.

E quanto a medicina ocupacional?

Segundo inúmeros especialistas, a medicina ocupacional é um complemento das ações da medicina do trabalho. Logo, deve atuar de forma conjunta com o médico do trabalho, a fim de melhorar as condições dos trabalhadores e evitar problemas futuros. Isso porque, diante de determinadas lesões ou outros problemas ocorridos no ambiente laboral, é preciso realizar ações que possa de fato reabilitar o trabalhador. Ou seja, torná-lo produtivo novamente tendo a mesma qualidade de vida do que antes.

Como vimos anteriormente, a medicina do trabalho teve como origem as preocupações do autor e médico italiano Ramazzini. Por sua vez, a medicina ocupacional surgiu no pós-guerra com o início de uma produção acelerada que passou a utilizar novos processos industriais, bem como, novos produtos químicos que consequentemente, elevaram os riscos e doenças para os trabalhadores designados e expostos a eles. Logo, os empresários perceberam que a medicina do trabalho e suas ações apenas não seriam suficientes para manter a saúde e integridade de seus colaboradores.

Desta forma, a medicina ocupacional surgiu com a missão de intervir no ambiente de trabalho e na cultura empresarial. Fazendo entre outras ações: o controle de riscos de segurança e saúde no ambiente laboral; palestras, seminários e cursos para alertar os funcionários e incentivá-los a cuidar e prevenir riscos a sua saúde durante o desenvolvimento de suas funções.

Neste contexto, o médico ocupacional é responsável por ações de prevenção de doenças que possam de alguma forma, incapacitar o profissional. Dito isso, com o acompanhamento de um médico ocupacional, o trabalhador pode usufruir de ações relacionadas a saúde que visam garantir o seu estado físico e mental.

Medicina do trabalho ou medicina ocupacional? Quais as principais diferenças?

Dito isso, muitos especialistas ressalvam que tanto a medicina do trabalho ou medicina ocupacional, possuem origens e ações bem parecidas. Podendo inclusive, serem consideradas por muitos, como sinônimos. Entretanto, como percebemos, possuem diferenças sutis e como observamos, são comumente utilizadas em conjunto. Uma vez que, uma complementa a outra.

Em resumo, o médico do trabalho é responsável por avaliar a aptidão e competência do trabalhador, bem como, realizar exames admissionais, demissionais, periódicos, de mudança de função ou retorno ao trabalho. Enquanto o médico ocupacional, foca na manutenção da salubridade e da higiene no local de trabalho. Além é claro, de acompanhar e fiscalizar as condições nas quais o empregado esteja exposto, a fim de promover um ambiente laboral adequado, seguro e saudável para sua integridade física e psicológica.

Como observado no decorrer deste artigo, a medicina do trabalho ou medicina ocupacional é importante para manter a saúde e integridade dos trabalhadores da sua empresa. Além disso, fazem parte das obrigações e leis trabalhistas. Portanto, para contratar e saber mais sobre o serviço que disponibilizamos de medicina do trabalho ou medicina ocupacional, clique nos links indicados. Mas, se restou alguma dúvida, clique aqui e fale conosco por meio dos nossos canais de atendimento.